O que a Globo faz ao omitir o título de Lula tem nome: censura

0
341
(Foto: Ricardo Stuckert)

“A Globo censura Lula porque sabe que ela é parte do crime cometido contra o ex-presidente”, escreve o jornalista Aquiles Lins, editor do 247, ao avaliar a omissão do Jornal Nacional e do jornal O Globo em noticiar o título de cidadão de Paris concedido ao ex-presidente Lula. “Família Marinho faz política suja na tentativa de diminuir o reconhecimento de Lula como o único líder hoje no Brasil capaz de deter Jair Bolsonaro”

2 de março de 2020, 23:23 h Atualizado em 3 de março de 2020, 16:01

Por Aquiles Lins, para o Jornalistas pela Democracia

O grupo Globo deu mais uma demonstração de sua atuação política de oposição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Nesta segunda-feira, 2, Lula recebeu o título de cidadão honorário de Paris, em um evento que contou com a presença da prefeita da capital francesa, Anne Hidalgo, da ex-presidente Dilma Rousseff, do ex-prefeito Fernando Haddad e de centenas de brasileiros e franceses. 

Lula fez um discurso firme, denunciado as ilegalidades da Lava Jato das quais é vítima, a sua prisão política, bem como o desastre do governo Jair Bolsonaro para o Brasil e para o planeta, e os esforços que o mundo precisa empreender no combate à desigualdade (leia a íntegra do discurso). 

O discurso de Lula foi transmitido ao vivo pelas redes sociais e vários trechos de sua fala foram publicados no Twitter do ex-presidente. No jornalismo de internet, são subsídios mais do que suficientes para a produção de uma matéria sobre o assunto. 

Até porque trata-se de um fato com claro interesse público, haja vista que a honraria, aprovada em outubro de 2019 pelo Conselho de Paris, foi conferida a líderes que dedicaram a vida à luta pelos direitos humanos, como Nelson Mandela, ex-presidente da África do Sul, e Dalai Lama, líder espiritual do Tibete, e o cacique Raoni Metuktire, primeiro brasileiro a ser homenageado. 

Porém, tanto a Globo como outros veículos da mídia corporativa preferiram fingir que a cidadania parisiense de Lula não era notícia, como registrei no tweet abaixo: 

247 publicou uma matéria afirmando que a Globo escondia a honraria concedida a Lula, e o ex-presidente compartilhou a reportagem em seu Twitter:

Pouco mais de uma hora depois do tweet de Lula, e mais de cinco horas após o término do evento, brotou uma matéria do portal G1 sobre o título concedido a Lula. 

Parece que com isso o grupo Globo imaginou ter cumprido sua obrigação de noticiar o triunfo de Lula na Europa. Porque o jornal O Globo não publicou nenhum registro sobre o assunto até às 23h desta segunda.

Além disso, o Jornal Nacional, principal telejornal da TV aberta, também ignorou a notícia, motivando protestos de internautas nas redes sociais. Enquanto concessionária de um bem público que é a radiodifusão, a TV Globo é obrigada a oferecer um serviço de informação digno à população, que tem o direito constitucional de ter acesso a fatos de interesse público. 

Mas a Globo segue censurando Lula. E o faz porque sabe que ela é parte do crime cometido contra o ex-presidente. Por meio da omissão de notícias positivas sobre Lula, e da seleção e saliência de aspectos negativos relativos ao líder petista, a família Marinho faz política suja na tentativa de diminuir o reconhecimento de Lula como o único líder hoje no Brasil capaz de deter Jair Bolsonaro.

Mas os Marinhos não fazem isso porque gostam do capitão e seu projeto de ditadura, mas porque defendem com unhas e dentes a sua política neoliberal, que foi rejeitada quatro vezes nas urnas, e da qual Lula é sua maior ameaça.

Aquiles Lins é editor do 247. Jornalista, pós-graduado em Comunicação e mestrando em Ciência Política pela UFSCar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui