Vaza Jato, “aerococa” e a última cruzada da grande mídia

0
249

Vaza Jato, “aerococa” e a última cruzada da grande mídia

Cinegnose

Por Wilson Roberto Vieira Ferreira

quinta-feira, junho 27, 2019

Tal como os violinistas do Titanic, a grande mídia sabe que terá que tocar a música até o fim – as instituições entraram em acelerado estado deterioração: o “aerococa” da comitiva de Bolsonaro, pego pela polícia espanhola, é apenas um pequeno indício. Diante da audiência com Glenn Greenwald na Câmara (verdadeira aula de jornalismo investigativo que valeu mais do que todos os congressos da Abraji), na qual o jornalista alertou que nenhuma intimidação evitará as publicações do site “Intercept” porque está amparado pela Constituição, a grande mídia sabe que chega rápido ao seu “vanish point” – as máscaras terão que desaparecer e o jornalismo ser rifado. Por isso que, paralelo à bomba relógio que representa a Vaza Jato, a grande imprensa vem se “ajustando” ao que está por vir: a última cruzada – afastamentos, demissões em massa e ameaças nas redações para manter os jornalistas firmes nas rédeas e antolhos.

 

Paralelo ao terremoto da Vaza Jato detonado pelo site Intercept,liderado pelo jornalista Glenn Greenwald, a grande mídia televisiva parece iniciar um movimento de “ajustes” para enfrentar o que estar por vir. Se não, vejamos:

  1. a) Como é do feitio dos rompantes de Silvio Santos, o SBT promoveu demissões em série no seu Departamento de Jornalismo, cortando jornalistas e âncoras com décadas de casa, além de produtores. Cabendo a um repórter, João Fernandes, apresentar a última edição do SBT Notícias. Para depois saber que também estava no “pacote” de demissões.

Rachel Sherazade, âncora do SBT Brasil, também está no radar depois que o Napoleão de hospício e patrocinador do SBT, Luciano Hang da rede Havan, pediu a cabeça da jornalista quando ela se declarou decepcionada e enganada por Sérgio Moro, diante dos vazamentos do Intercept.

Pouco importa se, ao jogar no fosso o jornalismo da casa, o SBT correr o risco de afugentar anunciantes. Silvio Santos quer mesmo os jabás e anúncios estatais do governo Bolsonaro.

  1. b)  Depois de ancorar por 15 anos o programa de maior audiência da emissora (“Domingo Espetacular”), o premiado jornalista Paulo Henrique Amorim foi colocado no gancho da Record até o RH saber o que fazer com ele – PHA edita um dos blogs de esquerda mais acessados do País e há tempos as milícias digitais bolsonárias ameaçavam e exigiam o seu afastamento.

Motivo da Record? Certamente os mesmos de Sílvio Santos. 

Biruta de aeroporto

  1. c) O comentarista da Rádio Jovem Pan, o historiador Marco Antônio Villa, outrora hidrófobo anti-petista obcecado pela agenda do prefeito Haddad (até ser vítima de uma pegadinha (“media prank”) perfeita disparada pelo prefeito – clique aqui), também foi colocado no gancho. Para um mês depois o RH da emissora finalmente descobrir o que fazer com ele: a demissão.  Nos últimos tempos, Villa tornou Bolsonaro o alvo principal das suas críticas, no estilo tão desbocado quanto as desferidas contra o então prefeito de São Paulo.

Em tipos bicudos de crise econômica, anúncios governamentais não podem ser colocados em risco por uma biruta de aeroporto que virou com a mudança dos ventos…

  1. d) Em outra rádio, Band News FM, o inventor da expressão “petralha”, Reinaldo Azevedo, é o novo alvo das ameaças das milícias digitais depois que se associou à divulgação da Vaza Jato da equipe de Greenwald. Está certo que o dono do Grupo Bandeirantes de Comunicação, João Carlos Saad, no “Fórum Band News”, criticou a destruição da economia pela Lava Jato, afundando empresas estratégicas como a Odebrecht.

Porém, vamos ver até onde vai a “fibra crítica” de alguém que também mergulhou de cabeça na euforia anti-PT.

  1. e) Já na poderosa Globo, o clima é de medo no Departamento de Jornalismo com o RH acenando para a reformulação de contratos, renegociações salariais ou simplesmente a demissão. Ameaçando de simples repórteres a grandes medalhões da casa – âncoras, colunistas e comentaristas. Tal como os violonistas do Titanic, a Globo sabe que tem que continuar tocando a música até o fim – defender Moro, Deltan e Lava Jato.

Mas também seus medalhões do jornalismo temem que novos vazamentos que virão poderão sobrar para muitos deles e ferir de morte suas credibilidades no mercado das notícias. Então, nada melhor para a Globo do que manter todos nos antolhos e rédeas através do medo…

O “Jornalismo Snapchat”

Enquanto SBT e Record rifam seu Jornalismo, a Globo tenta manter as aparências tocando o terror nas redações.

E, para o distinto público, apresenta o chamado “Jornalismo Snapchat”, como no “Fantástico” do último domingo: a emissora foi até capaz de colocar no ar uma matéria isenta e tecnicamente correta sobre os últimos vazamentos publicados pelo jornal Folha, em parceria com o Intercept. Tudo efêmero para criar um simulacro de isenção: depois, ao longo da semana, vem ignorando tudo sem dar a mínima continuidade ou repercussão.

Todos esses movimentos da grande mídia são sintomáticos em relação ao terremoto atual e os futuros tsunamis a ser gerados pela Vaza Jato.

No campo do Governo o rubicão já foi atravessado – já há muito caíram as poucas aparências racionais iluministas, com a aceleração da crise institucional: juízes e deputados derrubam decretos presidenciais, enquanto, em reação, o presidente revoga e reedita decretos rejeitados pelo STF e Congresso.

Também caiu a ficha para as lideranças no Congresso que Bolsonaro não governa para o País, mas para o “núcleo duro” fundamentalista, com a sua guerra cultural e ideológica particular.

Agora será a vez da grande mídia também chegar a esse vanish pointdas aparências: livrar-se de uma vez do jornalismo e partir de forma franca para a guerra da propaganda política aberta. Como começam a fazer SBT e Record.

A bomba-relógio Glenn Greenwald

Principalmente por terem diante deles a incômoda bomba-relógio que atualmente representa o jornalista norte-americano Glenn Greenwald. Como ficou patente na fala do jornalista na audiência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias na Câmara dos Deputados nessa terça-feira.

Em síntese, em sua histórica fala, Greenwald deu três mensagens diretas aos oponentes:

  1. a) A Constituição brasileira lhe garante manter o anonimato da fonte e todo o trabalho jornalístico investigativo do Intercept;
  2. b) Ele, assim como sua família, tem passaporte norte-americano. A qualquer momento poderia pegar o primeiro voo e sair do País. Se ele estivesse realmente participando de uma ação criminosa de hackeamento, não estaria aqui. Estaria fora do Brasil, continuando a publicar os vazamentos;
  3. c) Ele e o Interceptnão têm medo das acusações do Governo e dos políticos do PSL. Não passam de estratégias de intimidação e propaganda política. E por um simples motivo: não têm evidências contra ele, enquanto ele possui todas as provas contra os acusadores.

A fala de Glenn Greenwald (uma verdadeira aula de técnica de jornalismo investigativo que vale mais do que todos os Congressos promovidos pela Abraji – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) expôs publicamente a indigência intelectual e até cognitiva dos poucos deputados do PSL que resolveram confrontá-lo – como o parlamentar Felipe Barros que não entendeu o sentido de expressão “fonte anônima”.

“Se a fonte era anônima, como que você ficou muito tempo para proteger a sua fonte? Não se protege aquilo que não conhece”, disse raivoso o deputado… Virou piada.

 

 

… Mas os indigentes estão no Poder

O problema é que, apesar da indigência que chega ao nível cognitivo, os indigentes estão no Poder.

E mais problemático é que tanto a esquerda “namastê” quanto o “PT jurídico” acreditam que com todo o escândalo e desmoralização internacional (que ainda se soma à repercussão dos 39 quilos de cocaína encontrados com militar em avião presidencial da FAB na Espanha, em escala para o Japão para encontro do G20 o castelo de cartas ruirá por si só: finalmente baixará a racionalidade iluminista no STF, salvaguardará a Constituição, libertará Lula que liderará o País na volta aos trilhos do emprego e do desenvolvimento.

E a extrema-direita irá embora, envergonhada, para a lata de lixo da História.

Como afirma o cientista político e coordenador do Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública da UERJ, João Feres Junior, em entrevista na revista Carta Capital (26/06/2019), “a destruição das instituições desde o golpe de 2016 foi tão grande que não vejo por onde as coisas podem ser consertadas. Quem irá investigar Moro se ele é o chefe da Polícia Federal e um dos pilares do governo Bolsonaro? Estou cético”.

O governo Bolsonaro tem os seus 30% da opinião pública como o núcleo duro de fundamentalistas para o quais pouco importam fatos ou evidências – afinal, na pós-verdade, tudo é viés, conspiração e narrativa. No dia 30 prometem sair às ruas espumando de ódio, com a visibilidade garantida pela grande mídia televisiva.

Enquanto a esquerda não liderar a ocupação das ruas pelos outros 70%, em protestos contundentes (ou, citando novamente o jornalista Mino Carta, “derramar sangue na calçada”), de nada adiantará toda a fibra investigativa de Glenn Greenwald e de setores da grande mídia que começam a se aliar à investigação.

Moro continua ocultando sua agenda da viagem misteriosa aos EUA. Bolsonaro dá apenas repostas protocolares ao aerococa da FAB. Direitos, garantias sociais, o patrimônio nacional e o próprio futuro de uma geração estão sendo pulverizados. E todos no Poder parecem funcionar no modo automático, pouco se importando.

Por que? Porque sabem que as ruas estão vazias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui