Críticas pela esquerda à Haddad só ajudam Bolsonaro na reta final

0
179

Críticas pela esquerda à Haddad só ajudam Bolsonaro na reta final

Por Paulo Moreira Leite – Brasil247

21 de Outubro de 2018

Quando faltam sete dias para a rodada final de uma eleição que pode abrir um período de risco para o regime democrático e ameaça às liberdades públicas assistimos a um espetáculo deprimente.

Críticos  que se reivindicam da luta progressista resolveram engrossar o caldo de ataques a Fernando Haddad, o candidato que, com virtudes e defeitos, chega a reta final como a única possibilidade real de derrotar Jair Bolsonaro. Nas urnas de 28 de outubro, o cidadão brasileiro poderá escolher entre duas opções: o 13 e o 17.

Bater em Haddad, numa conjuntura na qual não há a possibilidade de substituir sua candidatura, é fazer o jogo dos inimigos da nação brasileira. Ajuda a confundir o eleitor e desmobiliza o combate para virar votos, indispensável para mudar um ambiente intoxicado pela industria criminosa das fake news, após escândalo que o TSE fará o possível para abafar.

Claro que se pode reconhecer a pertinência de determinadas críticas a Haddad, que, também na minha opinião, fez mudanças desnecessárias e até prejudiciais a seu programa de governo. Tenho certeza de que os leitores deste espaço sabem do que estou falando. Ninguém questiona o direito de cada um ter sua opinião.  O problema é o momento de fazer isso. A pergunta é simples: a quem serve?

Quem gosta de referências históricas, poderia lembrar das críticas duríssimas do Partido Comunista a Getúlio Vargas em 1954.  Como registra Mario Magalhães em “Marighella — o  guerrilheiro que incendiou o mundo”, 72 horas antes do suicídio Luis Carlos Prestes defendeu em entrevista que era preciso “pôr abaixo o governo Vargas”. Convencido da importância do pronunciamento, o partido republicou a entrevista na manhã da tragédia — e teve sua sede empastelada por uma massa furiosa de trabalhadores que se levantou indignada com a morte de Getúlio.

Dez anos mais tarde, o Correio da Manhã, jornal que defendia as reformas de base de João Goulart e tinha uma postura em defesa da Constituição, mudou de lado para alinhar-se com o golpe militar de 64.  Em dois editoriais consecutivos ( “Basta!” e “Fora!”), publicados nas datas decisivas de 31 de março e 1 de abril, o Correio disse que “o Brasil já sofreu demais com o governo atual” e também:  “queremos que o sr Goulart devolva ao Congresso, devolva ao povo o manto que não soube honrar”.

Quando faltam sete dias para a eleição, é uma irresponsabilidade absoluta deixar de reconhecer a verdade fundamental desta eleição. Como aconteceu com as campanhas anteriores do Partido dos Trabalhadores e do próprio Lula, a importância de uma vitória de Haddad é infinitamente maior do que limites e falhas como candidato. Há uma fronteira entre os candidatos, que marca também uma distância abismal entre possibilidades de país. Este é o verdadeiro debate a ser ressaltado no Brasil de 2018, quando a elite do país renunciou a todos os escrúpulos para deixar o caminho livre para o candidato que até a bíblia do capital financeiro, Economist, aponta como “ameaça a democracia”.

Chamar Haddad de candidato “menos ruim”, como já fez a campanha do PDT, é oportunismo de mau perdedor. Trabalhar na destruição de sua imagem, num momento em que recebe ataques sem fim pela direita, é apenas uma demonstração de desprezo pelo esforço de milhões de brasileiros mobilizados para defender sua democracia.

Alguma dúvida?

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui