ALCKMIN PROPÕE AGENDA MAIS CRUEL QUE A DO GOLPE

0
249

ALCKMIN PROPÕE AGENDA MAIS CRUEL QUE A DO GOLPE

 

O ex-governador de São Paulo, agora de mãos dadas com Temer, anuncia um programa econômico ainda mais radical que o do golpe, no estilo do adotado por Maurício Macri na Argentina e que quebrou o país vizinho; no Nordeste, onde o Bolsa Família mudou a vida de milhões de pessoas, ele fez restrições ao programa; o coordenador econômico de seu programa, o economista-banqueiro Pérsio Arida, anunciou que saúde e educação sofrerão ainda mais cortes e a economia será mais desnacionalizada; os ricos, no entanto, podem ficar tranquilos: Arida rejeitou qualquer taxação sobre grandes fortunas

247 – O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, está propondo uma agenda econômico-social ainda mais radical e cruel que a do próprio governo Temer. E viagem ao Piauí, o candidato tucano, estacionado no patamar de 5% nas pesquisas, fez ressalvas ao Bolsa Família dando prioridade ao agronegócio.  O ex-governador de São Paulo ensaia um programa ultraliberal, ao estilo do adotado pelo presidente da Argentina, Maurício Macri e que quebrou o país vizinho em dois anos.

Depois de anunciar que deseja privatizar a Petrobrás e, aparentemente, ter recuado diante da péssima repercussão, Alckmin revelou mais de seu projeto para o país com a entrevista do coordenador de seu programa de governo, o economista-banqueiro Persio Arida, sócio do banco BTG Pactual até maio de 2017, quando vendeu sua participação numa transação bilionária. Arida informou que os tucanos pretendem reformar a Previdência, nos moldes pretendidos pelo golpe de 2016, projeto que se inviabilizou devido à ampla rejeição popular. Além disso, anunciou que o PSDB deseja mudar a Constituição eliminando os artigos obrigam o governo a destinar parte de suas receitas a educação e saúde, aprofundando o desmonte das áreas sociais do Estado.

Arida avisou também que, se Alckmin for eleito, será potencializado ainda mais o programa de desnacionalização da economia e abertura comercial indiscriminada, que tem debilitado a economia do país desde o golpe de 2016; ele revelou que pretende “um aumento drástico do coeficiente de abertura comercial”. Os ricos poderiam continuar a dormir tranquilos se Alckmin fosse eleito: Arida descartou completamente qualquer imposto sobre grandes fortunas. E negou que a concentração bancária do país seja um problema.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui