O GUARDA DA ESQUINA

0
302

O GUARDA DA ESQUINA

(*) Osvaldo Ventura

Conta-se que o Presidente da República, General Artur da Costa e Silva, reuniu o Conselho de Segurança Nacional no dia 13/12/1968, para anunciar a edição de mais uma medida truculenta da ditadura, a fim de aniquilar as pressões crescentes das forçar que lutavam pelo restabelecimento do regime democrático.
Efetivamente, naquele dia fatídico saía da fornalha da denominada “Revolução Redentora” o instrumento de maior poder para destruir o que sobrou de Democracia no Brasil, depois do golpe de 1964: o Ato Institucional nº 5, o tristemente célebre AI-5.
Ao término das devidas justificativas feitas pelo Ministro da Justiça, Gama e Silva, o Presidente apôs sua assinatura e ordenou que as autoridades presentes subscrevessem o documento.
De repente, ouve-se um burburinho em volta da grande mesa da reunião. Era o Vice-Presidente da República, Pedro Aleixo, um mineiro liberal, que se recusara a assinar o draconiano AI-5.
Indignado com a ocorrência, O Ministro da Justiça perguntou a Pedro Aleixo: “O Senhor tem receio das mãos honradas do Presidente Costa e Silva na aplicação correta das normas do AI-5”?
Resoluto, Pedro Aleixo respondeu: “Não, Excelência! De maneira alguma! Das mãos honradas do Presidente, nunca! Meu receio é do guarda da esquina”.
Talvez isso não passe de uma lenda urbana. Mas, serve para se avaliar quão perigoso é um país enveredar pelos caminhos policialescos, do arbítrio, do autoritarismo e da prepotência.
Sim, porque quando isso acontece, até “o guarda da esquina” acha-se no direito de pronunciar, em quaisquer circunstâncias, a frase famosa daquele outro Presidente, se alguém dele discordasse: “Eu prendo e arrebento”.
Na atual conjuntura, infelizmente, nossas gloriosas Forças Armadas, preparadas para defender o território pátrio de agressões de inimigos externos, estão se prestando a uma intervenção descabida no Rio de Janeiro, onde, por certo, até “o guarda da esquina” fará uso constante do “Eu prendo e arrebento”.

(*)Advogado e escritor
Membro da Academia Feirense de Letras

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui